Terça-feira, 07 de abril de 2020.
Notícias ››  

Não há ‘bala de prata” para a crise

publicada em 30 de novembro de -0001

Não há ‘bala de prata” para a crise

*Luiz Carlos Bohn, presidente do Sistema Fecomércio-RS/Sesc/Senac



Toda tarefa muito difícil gera um desânimo inicial. É difícil começar uma dieta quando temos que perder 30 quilos. A tendência é adiar o enfrentamento da questão. Isso ocorre com o déficit público no RS. Neste caso, o incentivo em adiar a solução é ainda maior, pois a responsabilidade pode ser passada à frente a cada quatro anos.

Não há uma “bala de prata”, como a que mata com um único tiro. Não há uma única ação que resolva todo o problema. A superação da crise fiscal implica na geração de resistências políticas em vários grupos sociais.

Há diversas medidas que podem ser adotadas para, paulatinamente, resolver a crise financeira. O primeiro ponto é entender que a questão a ser enfrentada é a contenção (não redução) dos gastos públicos. A receita de ICMS cresceu 132% acima da inflação entre 1997 e 2014. Basta conter o crescimento da despesa para que a expansão da receita resolva, dentro de alguns anos, nosso problema fiscal.

Listo aqui algumas medidas de contenção de despesas que são plenamente factíveis, mas politicamente custosas: (1) adequação do plano de carreira estadual ao padrão do governo federal, o que implica eliminação da licença prêmio, dos anuênios, quinquênios e das incorporações de gratificações; (2) privatização/extinção de organismos públicos como a EGR, a Cesa, a UERGS, com redução do número de contratados pela CLT e a transformação de outros, como a Fase, em Organização Social; (3) adiar/reduzir, por Lei, os reajustes salariais concedidos pelo governo anterior; (4) reduzir o número de secretarias; (5) reduzir os repasses para a Assembleia e para o Judiciário, pois a fonte de recursos é uma só, o contribuinte; (5) mudar a previdência, aderindo ao fundo do governo federal para os novos funcionários; (6) leiloar a folha de pagamento e os créditos da dívida ativa para fazer caixa no curto prazo; e (7) estabelecer PPPs, para expandir o investimento.

Há opções, mas são todas politicamente custosas. Infelizmente, não se faz omelete sem quebrar os ovos.





 
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
Luiz Carlos Bohn, presidente do Sistema Fecomércio-RS

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(55) 3412.3940 
(55) 3412.3264